Consciência

Por vezes, ouço que mudar meus conceitos é duro, tarefa árdua, chamam-me “teimoso”, digo a todos que não se trata de teimosia, pois até as pedras mudam de tanto rolar, mas de coerência com o ser que sou. Este ser que sempre fui – não me tornei, sempre fui – aceita regras do mundo mas não as deixa controlar sua mente.

Por quê? Por que preciso mudar de idéia?
Pro quê? Por que é tão desconfortável para você?
Faz-me perguntas e não queres respostas? – Incoerente, no mínimo!

Não costumo mudar meus pensamentos de forma tão fácil, como se nada do que pensasse fosse aproveitável, sinto mesmo… Não, não – em verdade – sinto nada… E não mudarei meus absurdos apenas porque alguém desacredita, quer mesmo me fazer mudar, justifique-se de maneira coesa, faça-me enxergar, mas não pense que seguirei sem antes analisar… Neste ponto, mais uma afirmação, com o perdão da palavra, tola!

"Mas você sempre tem alguma justificativa para o que você pensa! Você sempre tem isso pronto!"

Lógico, diferente da maioria das pessoas eu acredito nas coisas que encontro como resposta, não nas que me dizem ser resposta, e antes de acreditar, reflito… Não aceito verdades incontestáveis, até que eu mesmo chegue nesta conclusão… É para isso que tenho um cérebro, sou capaz de discernir, pensar, organizar e produzir conhecimentos. Não me permito ser fantoche, não nasci com o conforto de fechar os olhos e deixar que alguém me guie. Por outro lado, posso te ouvir, sempre… Acredite… Mas isto não significa que concorde com o que dirás.

Não sou boneco de moldar, que puxa daqui, puxa dali e toma forma de coisa qualquer até sua massa se desmanchar na ruína de viver pensamentos alheios sem antes questionar, aceitando o tal “Por que, é!”.

Mas se você é tão maleável, que bom… Pode-se dar o prazer de viver cada dia da sua vida num tom, em cores singulares. Mas, digo-lhe finalmente, que prefiro meu mundo cor e tons de cinza, a passar a vida mudando de idéia nos dissabores dos outros.

"A minha consciência tem para mim mais peso do que a opinião do mundo inteiro."
(Cícero)


3 Responses to “Consciência”

  • Lívia Lunardi Says:

    Olá Alan!
    Fico feliz que vc tenha gostado do blog, e pode sim adicionar meu blog ao seu, não tenho nenhum problema com isso, muito peloo contrário!
    Obrigada pelo prestígio.

    Então, esse trabalho da bienal foi feito com a Trupe Lunachicas. A formação do grupo ainda é nova e infelizmente por esse motivo ainda não temos vídeos circulando… E nem previsão de visitas a salvador no momento.. rs Somos daqui de São Paulo, rs.

    Sobre seu blog achei ele interessante, embora sinta falta de algumas ilustrações. Acho que elas dão mais vida ao blog e despertam mais interesse dos leitores quanto a sua postagem, talvez possa ajudar como dica 😉

    Gostei muito do seu texto!
    Principalmente do jeito que ele é escrito, que me remeteu realmente a um diálogo com a nossa consciência quanto a nossas escolhas e conceitos…
    Parabéns! =)

    Vamos nos falando!
    Bjos

    http://www.caminhandoentrepanos.blogspot.com

  • Geane Melo Says:

    Adorei o conteúdo do blog e principalmente a abordagem que você escolheu para o texto.
    Bem…sobre a minha visão,penso bem parecido contigo: algumas pessoas entendem que possuir uma opinião formada e estável é caracterizado como um defeito,entretanto,existe uma grande diferença entre ter uma idéia formada,escutando os argumentos contrários ao que pensamos e simplesmente não ouvir idéias divergentes da nossa.
    O grande problema é a utilização dos argumentos que sejam realmente eficientes,ou seja,em maioria,todos tem muito a dizer e praticamente nada a se concretizar,é aquele famoso “bate boca”,sem objetividade e nenhuma direção.

    Obs: Você adora esse bonequinho daí de cima,huahsuahus,adorei o designer do blog,sutil e dando mais ênfase as palavras.

    Beijos!!!

  • Geane Melo Says:

    Ah sim,me esqueci de falar que adorei a frase,a maioria das pessoas passam boa parte do tempo tentando agradar os outros,seguindo padrões e até mesmo o modo de pensar dos demais…a partir do momento em que o ser humano para de tentar agradar,ele dá espaço a novas idéias e segue pelo caminho do que é realmente melhor pra si,sai do conformismo para algo individualista,criando uma identidade ideológica!

Leave a Reply